NOTÍCIAS

Evangélicos se multiplicam na França e evangelizam muçulmanos
Postada em: Quinta, 25 de Maio de 2017 às 12h19 | Categoria: Mundo - Posts 182
Durante muito tempo, as igrejas evangélicas da França aguardaram um “sinal de reconhecimento oficial do governo francês”, mas “finalmente conseguiram”, explica o jornal Le Monde, que analisou a expansão dos evangélicos no país.
 
Por questões históricas, que remetem aos desdobramentos da Reforma Protestante no século 16, toda igreja cristã não católica era vista como seita pelos franceses. Agora, pela primeira vez o presidente do Conselho Nacional dos Evangélicos da França esteve presente na cerimônia de posse de um presidente francês, Emmanuel Macron, no último 14 de maio.
 
“Eu estava ao lado dos representantes dos muçulmanos, dos católicos, dos judeus, da Federação Protestante da França e dos budistas”, comemorou Etienne Lhermenault.
 
 Outra notícia boa foi a nomeação de Edouard Phillippe como primeiro-ministro. Ele era prefeito do Havre (norte do país), região com ligações históricas com evangélicos na França. “Ele sabe quem somos”, declarou Lhermenault ao Le Monde.
 
Ainda segundo o jornal mais lido pelos franceses, “o funcionamento [das igreja evangélicas] se faz sem barulho, mas sua vitalidade pode ser conferida nas estatísticas – segundo o CNEF, o número de evangélicos nas grandes cidades se multiplicou por dez desde 1950, contabilizando hoje 500 mil praticantes regulares”.
 
Considerados sectários, até pouco tempo atrás o evangélico “era percebido [na França] como um estúpido à la George Bush Jr; hoje ele é visto como um africano animado”, explicou o presidente do CNEF.
 
“O resultado é que nós somos ainda percebidos como uma espécie de seita”, reclama o pastor Franck Lefilattre. “Você tem que estar pronto a receber diversos nãos”, acrescenta o também pastor Samuel Foucachon, que há anos vem tentando, sem sucesso, regularizar sua igreja perto da região de Marselha (Sul) e Bordeaux (Sudeste).
 
“Houve um caso onde chegaram a nos dizer: ‘se aceitarmos sua solicitação, perdemos a prefeitura’. Cada um deve se virar por si próprio”, narrou Foucachon. Alguns teatros de Paris estão alugando suas salas para grupos evangélicos, para aumentar suas receitas mensais.
 
A estratégia de alcançar os muçulmanos que crescem continuamente no França é diferente das antigas práticas de abordagem e distribuição de folhetos. “Isso não dá certo!”, afirma o pastor David Brown, presidente da Comissão de Evangelização do Conselho Nacional dos Evangélicos da França (CNEF). “Os franceses consideram a religião como um assunto privado e não querem ser catequizados em locais públicos”, explica.
 
Um dos motivos disso é que os missionários americanos, antes bastante presentes em território francês, agora são cada vez mais raros. “A importação de práticas ‘made in USA’ nunca fez muito sucesso na França”, analisa o Le Monde.
 
O sociólogo de religiões Jean-Paul Willaime aponta que o método mais usado hoje para atrair pessoa é por meio de ações sociais e humanitárias (Bazares, apoio escolar, alfabetização, luta contra as drogas e o alcoolismo etc) e das redes interpessoais, como vizinhos, amigos e família.
 
“Sem esquecer a multiplicação dos cultos à noite, rápidos e festivos, destinados aos jovens ativos”, afirma Le Monde.
 
“Evangelizar a França é uma prioridade… começando pelos muçulmanos”, descreve o jornal.
 
Isso se dá principalmente por que os bairros populares e periféricos, onde vivem a maioria dos imigrantes, são claramente identificados como “terras missionárias”.
 
O pastor Belkacem Germouche, por exemplo, acaba de montar um grupo chamado “Alleluia North Africa”, onde encontros inter-religiosos são bem-vindos. Sua igreja acolhe, duas vezes por semana, cerca de trinta mulheres muçulmanas para cursos de alfabetização.
 
“Hoje em dia, não é porque você nasce numa família muçulmana que é muçulmano”, avalia Karim Arezki, presidente da Associação de cristãos do norte da África, criada em 2003. “Eles sabem que nós queremos evangelizar e nós sabemos que eles querem nos converter ao Islã”, resume Arezki.
 
O Le Monde conta ainda que muitos muçulmanos já convertidos pelos evangélicos preferem não admitir isso publicamente, por medo de serem isolados por seus grupos sociais ou mesmo perseguidos. Apesar disso, seu crescimento é notável.
 
Fonte: gospelprime
 

 Deixe seu comentário:

 

 LEIA TAMBÉM

SertãoGospel
   
Loading
 
 
       
SertaoGospel - Menu
     

Lista de Categorias

Lista de Seções

   

SEÇÕES ESPECIAIS

Artigos
Contato
Destaque
Eventos
Nordeste
Notícias Seculares
Notícias Rotativas
Notícias Gerais
Vídeos
Artigo
Bíblia
Catolicismo
Cinema
Cultura
Destaque
Educação
Esporte
Igreja
Justiça
Finanças
Livramento
Missões
Mundo
Música
Acidente
Brasil
Obituário
Policial
Política
Saúde
Social
Televisão
Violência
Moda
Tecnologia
Alagoas
Bahia
Ceará
Maranhão
Paraíba
Pernambuco
Piauí
Rio Grande do Norte
Sergipe
Marcos Pereira
Consciência Cristã
Seca no Nordeste
Filme Anti-Islã
Cabo Bruno

SertãoGospel.net© 2008-2011- Todos Diretos Reservados®

Activa Soluções